O Ano Profético da Plenitude – 2017

A cada ano que se inicia, junto com ele temos a oportunidade de um novo começo. Tanto a natureza quanto a Bíblia nos mostram que a vida foi desenhada por épocas ou estações. E que por meio desses ciclos que se abrem temos nova chance de fazermos algo diferente e até mesmo de nos reconstruir-mos.  Em todas as culturas a entrada do novo ano é celebrada com festas e celebrações, isso acontece devido à compreensão de que um novo tempo e novas oportunidades estão surgindo. Ao fim de um ano, nosso planeta Terra deu uma volta completa em torno do Sol. Ela completou seu ciclo por inteiro, e se submeteu a todas as variações astronómicas dando origem as estações e as épocas de plantios e colheitas, renovando assim a vida nesse planeta.

Para o povo hebraico a entrada do novo é uma celebração maravilhosa, com as trombetas tocando e compartilhamento de comida e doces, mostrando a solidariedade de uns para com os outros. Eles celebram com festas as conquistas das últimas colheitas e assim se preparam para o novo ano.

O ano de 2017 apresenta-se de forma especial. Nele celebraremos Isaías 61:1-4, o Ano da Plenitude, o ano aceitável do Senhor, que marca uma época que não pode ser delimitada em apenas 365 dias, pois não é algo temporal, mas algo sobrenatural que marcará o tempo em que seremos alcançados pela graça e a misericórdia do Senhor, especialmente os mais pobres e sofridos.

O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para pregar boas novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a por em liberdade os algemados, e apregoar o ano aceitável do Senhor; a consolar todos os que choram […] Isaías 61:1-4

O Ano da Plenitude é o período em que os cegos naturais e espirituais são curados, também é o tempo em que os que sofrem são consolados e os feridos e quebrantados são ungidos e curados.Em Lucas 4, quando Jesus Cristo faz ali seu primeiro sermão, apontando sua missão e seu propósito de vida, ele cita o texto de Isaías.

O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, a pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor. Lucas 4:18,19

Saindo daquele lugar ele começa a pregar e a curar milhares de pessoas, fazendo cumprir aquela profecia. Pela graça e misericórdia do Senhor ainda estamos dentro desse ano que não se extinguiu naqueles dias, mas pelo contrário ele avança até os tempos de hoje, e vai se estender até a Segunda vinda de Cristo.

Anunciar o Ano da Plenitude implica em trazer um ensino e uma prática de amor, perdão, aceitação em seus relacionamentos com o Pai. Quando estamos debaixo dessa aliança, deixamos de ser julgados por obras, e passamos a responder por nossas intenções e pela graça de nosso Deus e Pai.

Jesus Cristo muda o eixo do relacionamento dos homens com Deus, ao invés de lei e exigência, a graça de Deus. Ele não hesitou em recolocar as coisas no lugar, e assim não mediu esforços para espalhar sua nova descoberta. Tornando o amor, o perdão e a graça as bases do relacionamento dos homens com Deus, e não as exigências da lei.

Não sei se entendemos plenamente essa graça de Deus em sua totalidade, mas ela é a base de nossa vida. Essa graça atua no sentido de nos levar ao acesso à plenitude, por meio de Jesus Cristo. Recebemos da plenitude, porque compreendemos que não temos que fazer muito além de nosso relacionamento de comunhão com nosso Deus e Pai, nossa fonte. Esse conceito se torna muito mais forte quando podemos compará-lo à aliança anterior da Lei de Moisés. A um povo que vivia de exigência, regras, e leis para serem aceitos pelo nosso Deus soberano, compreender a graça de Deus não era algo fácil. Como ser aceito pelo Altíssimo de uma forma incondicional?

Que nesse novo ano, você compreenda e desfrute desse novo momento espiritual em sua vida. Descubra que essa graça é o caminho para nos relacionarmos intimamente com nosso Pai e consequentemente, por Sua misericórdia, termos a plenitude do Universo fluindo através de nossas vidas.